25/07/2015

As A Winter Morning - Capítulo 2


'tão linda #mds <3
"Não ser descoberto numa mentira é o mesmo que dizer a verdade." - Aristóteles

Delegacy - New Jersey
02:30 p.m.

  Demi


- Demi! - Nick chamou-me, sentado na sua secretária. 
- Diz. Estou com pressa. - Disse-lhe assim que cheguei perto da sua secretária.
- Onde vais? - Perguntou-me, franzindo a testa, claramente confuso. Ainda faltavam umas horas para acabar o meu expediente e eu não era pessoa de sair a meio do trabalho, a menos que tivesse em investigações e precisa-se de fazer tal coisa, o que não era o caso. E Nick sabia bem disso.
- Tenho uns assuntos para tratar. - Ele continuava com a mesma expressão, interrogando-me agora com o olhar. - Volto daqui a uma hora. Se acontecer alguma coisa, liga-me imediatamente. Adeus. 
- Mas Demi... 

  A frase ficou solta no ar, quando Nick viu-me distanciar até ao elevador e simplesmente abanou a cabeça, em sinal de descontentamento com a minha resposta vaga. Acenei-lhe já dentro do elevador, com um sorriso sarcástico e como eu já imaginava, ele revirou os olhos e continuou o seu trabalho. Ri com aquilo.       Cheguei ao térreo e encaminhei-me até ao estacionamento, onde estava o meu carro. Destranquei-o e em questão de minutos, entrei na autoestrada, seguindo calmamente até ao meu destino. 

...

  Estacionei o carro numa das poucas vagas que havia e saí rapidamente. Observei por um tempo uma das maiores empresas de construção do país, Tyler's Building, assimilando a arquitetura diferente do arranha-céus. Das raras vezes que passei por aquela rua de carro ou até mesmo a pé, nunca tinha prestado muita atenção à empresa. É realmente algo bonito e exuberante. Entrei pelas portas giratórias e mais uma vez, espantei-me com a beleza do lugar. A empresa conseguia ser ainda mais bonita por dentro. De repente, senti-me perdida em meio a tantas pessoas. Precisava de obter algumas informações aonde era o escritório da pessoa que me fez vir até aqui. A única coisa que via era umas escadas rolantes à minha frente. Aquilo não teria uma balcão de receção ou algo do género? Suspirei. Segui a minha única alternativa e subi pelas escadas rolantes até ao andar de cima. Haviam pessoas. Demasiadas pessoas. Pareciam formigas de um lado para o outro. Recebi uns dois encontrões até chegar ao encontro do que eu queria, a receção. A mulher loira à minha frente falava atarefada ao telefone, ainda sem reparar na minha presença. Ao fim de uns segundos, ela levantou a cara e sorriu simpática. Retribui o sorriso, já impaciente por ela demorar tanto naquela porcaria de telefone.

- Boa tarde, em que posso ajudá-la? - A loira perguntou com uma voz doce, finalmente dando-me atenção.
- Inspetora Demetria Miller. - Disse, mostrando-lhe os meus documentos de identificação policial. - Eu quero falar com o sr. Nathan Tyler, se for possível. 
- Oh, claro! Só um momento por favor. - Agarrou novamente no telefone e pelo tremor das suas mãos, era visível que estava nervosa. Eu a compreendia. - Sim? Erin?... Está aqui uma inspetora a dizer que quer falar com o sr. Tyler... Uhum, claro... Com licença. - Encerrou a chamada e voltou a atenção para mim. - Pode subir, inspetora. Vigésimo segundo andar. Só precisa de se anunciar antes e esperar que lhe permitam a entrada. 
- Acho que não preciso disso. Obrigada e resto de boa tarde.
- Igualmente. - Disse-me, nervosa com a minha declaração. A situação dela fez-me rir discretamente.

  Encaminhei-me até ao elevador e esperei até fechar-se, para carregar no botão que tinha escrito o número 22. Reparei que era o último andar. O elevador ainda parou em alguns andares, mas cheguei até ao que queria sozinha. Pretendia entrar sem aviso prévio na sala que continha uma tabuleta com o nome Nathan Tyler, mas sem perceber os meus pés levaram-me até à sua provável secretária. Iria pedir para ser anunciada. Possivelmente, até seria melhor assim. Evitaria descontentamentos. 

- Erin, não é? - Perguntei para a mulher loira atrás da secretária. Será que eram todas loiras?
- Sim, em que...
- A sua colega informou-a à dois minutos atrás sobre mim. Então, acho que dispensamos apresentações. - Franziu-me o sobrolho. Tenho a impressão que a outra loira era mais simpática. - O sr. Tyler vai poder receber-me, ou não?
- Aguarde um minuto. Vou anunciá-la. - Disse seca. Revirei-lhe os olhos e coloquei as mãos na cintura, enquanto esperava impacientemente. - Siga-me, por favor. O sr. Tyler vai recebê-la. 

  Fiz o que ela me disse. Vi-a abrir a porta e dizer qualquer coisa, dando-me passagem em seguida. A sala, incrivelmente, era bastante espaçosa e de uma beleza rica e extravagante. Conseguia ser ainda melhor que o resto da empresa. 

- Boa tarde, inspetora. Sou Nathan Tyler. - Cumprimentou-me com um aperto de mão e eu também me apresentei. - Queria falar comigo?
- Queria e quero. - Ouvi uma risada e o meu olhar acompanhou-a. Havia um rapaz sentado numa das cadeiras situadas em frente à enorme secretária de vidro. Tinha os olhos concentrados em mim, a expressão séria, apesar de o ter ouvido a rir-se de mim.

  Rir-se de mim.
  Ele estava a rir-se de mim.
  Quem ele pensava que era?

- E de preferível a sós. - Continuei. 
- Ah, pois... Com certeza. - Virou-se para o rapaz que estava a rir-se de mim à uns segundos atrás. - Joseph, será que poderias sair por uns minutos? 
- Claro, também já estava mesmo de saída. - O Nathan acenou com a cabeça.

  O tal de Joseph passou por nós. Mantinha-se sério. Era alto e bonito. Os olhos de um castanho-mel intenso. O seu cheiro interpôs-se nas minhas narinas. Tinha um cheiro agradável e de alguma maneira, passou a ser o meu preferido. Balancei a cabeça assim que a porta se fechou atrás de mim, indignada com o transtorno que aquele ser tinha deixado no meu corpo. Afugentei aqueles pensamentos e concentrei-me na pessoa à minha frente.

- Desculpe incomodá-lo, sr. Tyler. - Comecei por dizer.
- Não tem problema algum. Sente-se. - Apontou em direção às cadeiras e sentou-se na sua. Desconhecendo a razão, sentei-me na que Joseph estava até à uns momentos atrás. - Trate-me apenas por Nathan.
- Hm, claro. Bom, eu estou aqui porque soube recentemente que tinha um contrato de construção de um novo hotel em Miami com a cadeia de hotéis Lovato Society e, cancelou-o à última da hora. Eu preciso que me explique o porquê.
- Desculpe, mas...
- Eu era casada com o Ethan Miller. - Expliquei-lhe rapidamente. - Eu não me lembro dele me ter falado que iam construir um novo hotel. Mas lembro-me que ele chegou furioso a casa uns dias antes de morrer, no mesmo dia em que o contrato foi cancelado.
- Eu não estou a entender onde a inspetora está a querer chegar. - Disse-me, franzindo a testa. Ele estava realmente confuso, eu podia notar.
- Oiça, eu não vou descansar enquanto não encontrar o assassino do Ethan. E enquanto isso eu preciso de todos os meros detalhes do que aconteceu naquela semana. Ele não era o mesmo naqueles dias e eu pretendo descobrir o porquê.
- Acho que começo a entende-la, apesar de não saber como ajudá-la. Eu conheci, sim, o seu marido. Assinei um contrato com ele, mas ele próprio cancelou-o dias antes de iniciarmos a construção. Já estava tudo preparado, a arquitetura, o terreno, os trabalhadores. Não entendi o que se passou e ainda tentei convencer o Ethan a não desistir da obra. Infelizmente, ele manteve a sua decisão e não tive mais contacto com ele até ficar a saber sobre a sua morte. - Suspirou por fim e notei-lhe um olhar estranho. Não consegui perceber se estava a ser sincero ou não.
   Suspirei. Respirei fundo. Encarei-o. 
- Obrigada, Nathan. Se se lembrar de alguma coisa que acha que eu deva saber, por favor, ligue-me. - Entreguei-lhe um dos meus cartões pessoais. 
- Claro. Desculpe não poder ajudá-la. Mas isto é tudo o que eu sei. 

  Acenei-lhe em agradecimento e despedi-me, saindo da sala. Assim que saí, encostei-me à porta. Abaixei a cabeça e soltei outro suspiro. Parecia que tudo o que encontrava que pudesse me dar alguma pista sobre a morte do Ethan, acabava sempre por ser algo insignificante. Estava frustrada com isso. O caso já tinha sido arquivado à dois anos, mas claro que eu nunca iria desistir de encontrar o assassino. Só que a cada dia que passava, parecia que estava cada vez mais longe da verdade. Eu tinha prometido vingança e ia fazê-la com as minhas próprias mãos, nem que isso fosse a última coisa que fizesse na vida. 

~

Hey sweets. Tudo bem com vcs? Sei que demoramos muito para postar (de novo) mas desta vez nem foi por falta de tempo, é que estávamos mesmo sem criatividade e não conseguíamos escrever nada. Mesmo assim acho que o capítulo está péssimo, mas pretendemos melhorar. Pedimos desculpa mais uma vez e paciência. Em principio, acho que esta semana só vamos conseguir postar mais um. E na próxima semana, vamos começar a postar com mais regularidade c:
E deem os parabéns atrasados à Sanny, que fez aninhos dia 19 *-* 'amo-te pandinha
Fiquem bem <3
We love all

By: Mia

12 comentários:

  1. Comecei a ler agora e adorei, escrevem muito bem. Postem logo.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns Sanny. Adorei o capitulo, beijokas.

    ResponderEliminar
  3. Amei, omg, eu se fosse a Demi tmbém queria fazer justiça pelas minhas próprias mãos!

    I <3 U

    Kiss :*

    ResponderEliminar
  4. Coitada da Demi. Postem logo! Bjs
    by: Thais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é :/ Postamos assim que possivel :) Bjs *-*

      Eliminar
  5. http://afeiamaisbela2.blogspot.pt/
    http://asminhasfanficdoharrypotter.blogspot.pt/

    Podes divulgar, os meus novos blogs, desculdem de nao ter aparecido, mas nao tive tempo para apacer aqui.
    mas estou adorando... tudo perfeito.
    beijokas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, no nosso próximo poste vamos divulgar os seus blogs :)
      Que bom que está a gostar, obrigada <3
      Bjs

      Eliminar

Comente e realize o sonho de duas "sisters" ♥